domingo, 5 de fevereiro de 2023

Michelle Bolsonaro se defende de suspeita de 'rachadinha'

Foto: Isac Nóbrega/PR
A ex-primeira-dama Michelle Bolsonaro usou seu perfil no Intagram para se manifestar pela primeira vez sobre as acusações de que teria se apropriado de parte do salário de uma amiga empregada no Senado Federal, supostamente configurando a prática de "rachadinha". Michelle publicou uma foto exibindo, segundo ela, todos os comprovantes de compras pessoais feitas durante o governo do ex-presidente Jair Bolsonaro e lamentou a "traição de alguém que estava do seu lado".

"Como Deus é bom e não nos deixa enganados de absolutamente nada temos todos os áudios do ex-funcionário que insinuava que eu estava recebendo 'propina' de minha amiga na matéria publicada no dia de hoje. Ele sabe muito bem que ele ia deixar roupas, acessórios que eu emprestava para ela e, na última vez, ele trouxe um pijama de presente de Natal", defendeu-se. Segundo a ex-primeira-dama, todos os comprovantes de compras pessoais feitas nos quatro anos de governo, exceto a sua troca de silicone, estão sob sua guarda. "Só não tem o da troca de silicone porque o meu médico não cobrou", escreveu.

De acordo com reportagem publicada pelo portal Metrópoles, funcionários da sede do governo e da residência do casal relataram fluxos de dinheiro vivo entre o Palácio do Planalto e o Palácio da Alvorada para custear despesas de Michelle e de parentes. Mensagens obtidas pelo portal apontam que o tenente-coronel do Exército Mauro Cesar Cid, que era ajudante de ordens do ex-presidente, seria o responsável pela entrega de envelopes de dinheiro enviados por Rosimary Cardoso Cordeiro, amiga íntima de Michelle.

Na lista de despesas supostamente pagas com regularidade por Cid estava a mensalidade do curso da meia-irmã da ex-primeira-dama Geovanna Kathleen. Todos os combinados seriam feitos por WhatsApp.

Em janeiro de 2021, de acordo com a reportagem, um assessor do Alvorada pediu que para Cid transferisse R$ 3 mil para a primeira-dama. "Boa tarde, cel. Dona Michelle pediu pro senhor transferir 3.000 pra conta dela!", diz a mensagem obtida pelo portal. Segundo a denúncia, a equipe de Cid fazia depósitos em espécie, diretamente na boca do caixa, quando tinha de enviar recursos à conta pessoal da primeira-dama.

Os relatos afirmam que Rosimary enviava encomendas regulares, por meio de envelopes, pelos quais era possível identificar o repasse de dinheiro em espécie. A suspeita entre os funcionários é de que a amiga repassava uma parte do salário que ganhava como assessora do senador Roberto Rocha (PTB-MA), que concluiu seu mandato no fim de janeiro. Depois da chegada de Michelle na posição de primeira-dama, o salário de Rosimary como assessora quase triplicou.

O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal, já investiga casos de assédio moral a funcionários e transações financeiras pouco usuais ocorridas no Alvorada, segundo o site. Segundo relatos, "uma limpa" em diversos itens da despensa das cozinhas do palácio foi feita por Michelle e alguns funcionários de confiança do ex-presidente.

Caixas com cortes de picanha, camarão e bacalhau, comprados com dinheiro público, foram retirados da câmara frigorífica anexa à cozinha durante a mudança da família. Outro episódio citado pela denúncia afirma que as moedas jogadas no espelho d'água que enfeita a entrada do Alvorada foram "pescadas" por funcionários nos últimos dias de 2022. A ação teria sido autorizada pela ex-primeira-dama e, supostamente, seriam doadas a uma igreja.

Fonte: Estadão Conteúdo

terça-feira, 31 de janeiro de 2023

Grave acidente na Avenida São Sebastião no Conjunto Colina do Alvorada

Foto: FSantos
Por volta das 12:30h aconteceu um grave acidente envolvendo dois veículos de passeio, na Avenida São Sebastião, bairro João XXIII em Parnaíba.

Um veículo modelo Fox de placas mercosul NIE6G58 ocupado por duas mulheres não identificadas até o presente momento, ao entrar no retorno para transitar sentido Conjunto Colina do Alvorada, invadiu a preferencial e veio a colidir com uma S10 de placas NXO-6015 que era conduzido por uma pessoa do sexo masculino, também não identificada pela nossa equipe. Segundo informações apuradas, uma quarta pessoa que transitava de bicicleta no mesmo local onde ocorreu o acidente também foi atingida pelo impacto dos veículos e foi levada para o HEDA ainda consciente.

Com a colisão, a S10 saiu da via e derrubou parte de um muro recém construído. O veículo Fox, ainda colidiu com um poste de energia. Devido a dinâmica do acidente, uma equipe do Corpo de Bombeiros esteve no local prestando atendimento às vítimas. Felizmente, não houve vítimas graves. As duas mulheres foram conduzidas para o HEDA por ambulância do SAMU. O condutor da S10 não sofreu ferimentos.

Foto: FSantos

Foto: FSantos

Foto: FSantos
Acidentes no local são rotineiros. Não há sinalização na via.

Da Redação

segunda-feira, 30 de janeiro de 2023

Gol Linhas Aéreas poderá ofertar voos em Parnaíba

Foto: Arquivo da Web
O gerente de relações governamentais da companhia Gol linhas Aéreas, Ciro Camargo, esteve nesta segunda-feira (30) visitando o secretário de Estado do Turismo, Marcelo Costa, para tratar sobre a ampliação da oferta de voos para o Piauí. Eles discutiram parcerias para fomentar o turismo e projetos para inclusão de voos ligando a região litorânea a São Paulo e Brasília.

Para o gestor da pasta, essa procura é o resultado de um trabalho integrado que já vem sendo feito pelo Governo do Estado. “O governador Rafael Fonteles compreende a importância de integrar o trabalho e alinhar sobre novos voos. O turismo é uma cadeia importante e sabemos que tudo isso aquece o setor, atrai novos visitantes e gera mais oportunidades. Estamos confiantes que teremos boas notícias nos próximos meses”, disse Marcelo Costa.

O representante da Gol afirmou que a companhia tem uma história de sucesso com o Estado do Piauí e que, mesmo no período de pandemia, a empresa continuou acreditando no crescimento do turismo brasileiro. “Depois de muitos estudos, nós entendemos que um dos grandes potenciais ainda inexplorados pela Gol é a cidade de Parnaíba e queremos muito fazer essa rota intraestadual Teresina a Parnaíba uma vez por semana. Essa minha visita ao estado é para formalizar o nosso desejo de trabalhar em parceria com o governo, com a comunidade e assim expandir a nossa presença aqui”, ressaltou Ciro Camargo.

Durante a reunião, o secretário dos transportes, Jonas Moura, lembrou que a SETRANS é responsável por um projeto de ampliação aeroviário determinado pelo governador Rafael Fonteles, que tem por objetivo entregar 15 aeroportos ainda este ano no estado. “Nós estamos avançando em Parnaíba através da Parceria Público Privada (PPP), que tem proporcionado melhorias no aeroporto. Então, vejo com muito otimismo esse interesse da companhia em disponibilizar mais uma opção de voo para o litoral”, disse.

Foto: ASCOM
Para o deputado estadual Pablo Santos, que também participou da reunião, a chegada de novas empresas, além de ampliar as opções de ofertas de voos, representa também novas oportunidades de trabalho. “Tendo em vista que a cada voo que se implementa para o nosso estado, são gerados aproximadamente 60 empregos diretos e indiretos, quanto mais voos tivermos, melhor para a população, para a economia, para o nosso turismo”, disse Pablo.

Fonte: ASCOM

Governo vai limitar acesso à área yanomami por rios e transporte aéreo

Imagem: TV Brasil
O presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) se reuniu na manhã desta segunda-feira (30) com ministros para tratar da crise humanitária envolvendo o povo indígena yanomami.

Durante o encontro, foram discutidas e acordadas iniciativas prioritárias para barrar o transporte aéreo e fluvial na região que abaste as atividades criminosa e o garimpo.

"As ações também visam impedir o acesso de pessoas não autorizadas pelo poder público à região buscando não apenas impedir atividades ilegais, mas também a disseminação de doenças", informou o governo, em nota. O documento, porém, não traz detalhes dessas ações.

Na questão sanitária, o governo também afirma que é prioridade dar assistência nutricional ao povo, com alimentos adequados aos seus hábitos alimentares. Também vai buscar garantir a segurança dos profissionais de saúde, para que possam exercer suas atividades nas aldeias.

A nota divulgada pelo governo também aponta como prioridade nesse momento garantir rapidamente o acesso a água potável por meio de poços artesianos ou cisternas. Também haverá uma ação para medir a contaminação por mercúrio -em virtude do garimpo- dos rios e nas pessoas.

"O presidente determinou que todas essas ações sejam feitas no menor prazo, para estancar a mortandade e auxiliar as famílias Yanomami", afirma o texto.

Participaram do encontro com Lula os ministros Rui Costa (Casa Civil), José Múcio (Defesa), Flávio Dino (Justiça e Segurança Pública), Silvio Almeida (Direitos Humanos), Sônia Guajajara (Povos Indígenas), Alexandre Silveira (Minas e Energia) e Alexandre Padilha (Relações Institucionais).

Também participaram o comandante da Aeronáutica, brigadeiro Marcelo Kanitz Damasceno, o secretário-executivo do Ministério da Saúde, Swedenberger Barbosa, e a futura presidente da Funai (Fundação Nacional dos Povos Indígenas), a deputada Joenia Wapichana.

Na sexta-feira (27), o Ministério dos Direitos Humanos criou um gabinete de crise para enfrentar a crise humanitária no território yanomami. A formação do gabinete foi prevista em portaria publicada em edição extra do Diário Oficial da União.

O órgão será responsável por realizar visitas técnicas à região, elaborar um diagnóstico das principais violações de direitos humanos, propor medidas emergenciais e criar um plano de ações.

Uma portaria assinada pelo ministro da Justiça e Segurança Pública, Flávio Dino, nesta segunda-feira (30), criou um grupo de trabalho com a finalidade de propor medidas contra a atuação de organizações criminosas, inclusive com a exploração do garimpo, em terras indígenas.

O grupo será composto por membros do Ministério da Justiça e Segurança Pública, Polícia Federal, Polícia Rodoviária Federal, Ministério dos Povos Indígenas, Ministério de Minas e Energia, Ministério da Defesa, Ministério dos Direitos Humanos e da Cidadania e Ministério da Fazenda. O grupo terá 60 dias para a conclusão dos seus trabalhos.

No sábado (21), antes de sua primeira viagem internacional, acompanhado de ministros, Lula visitou unidades de saúde indígena na capital Boa Vista, o que deu visibilidade à crise de saúde no território, agravada pela presença ilegal de 20 mil garimpeiros na reserva.

O Ministério da Saúde decretou na sequência estado de emergência para combater a falta de assistência sanitária que atinge os yanomamis.

Segundo o governo, pelo menos 570 crianças yanomamis morreram por contaminação por mercúrio, desnutrição e fome, "devido ao impacto das atividades de garimpo ilegal na região". As imagens de crianças desnutridas e esqueléticas provocou grande impacto, tanto no Brasil como internacionalmente. Crianças indígenas estão sendo intubadas com desnutrição grave, longe de seus pais.

A Polícia Federal instaurou inquérito para apurar eventual crime de genocídio contra os yanomamis. A apuração vai se concentrar na apuração de responsabilidades de garimpeiros, operadores da logística do garimpo, coordenadores de saúde indígena e agentes políticos.

Em meio a crise, o governo Lula também exonerou 33 coordenadores da Fundação Nacional dos Povos Indígenas (Funai) e dispensou outros quatro servidores que ocupavam cargos de coordenação.

O ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) utilizou suas redes sociais neste sábado (28) para rebater as críticas contra ele e seu governo por conta da crise envolvendo os yanomamis. Afirmou que "nunca um governo dispensou tanta atenção e meios aos indígenas" quanto o dele. Na publicação, também divulgou relatório da CPI destinada a investigar a morte de crianças indígenas por desnutrição, no período de 2005 a 2007.

Fonte: Folhapress (Renato Machado e Raquel Lopes)

Haddad fala em harmonizar políticas fiscal e monetária

Foto: Evaristo Sá/AFP
O ministro da Fazenda, Fernando Haddad, voltou a defender nesta segunda-feira, 30, a necessidade de se "harmonizar" a política monetária e fiscal. "Essas políticas se divorciaram no último período: o juro foi a 13,75% e o fiscal se perdeu, com desonerações sem base técnica", disse, durante reunião da diretoria da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) da qual participou.

Segundo Haddad, as desonerações conduzidas pelo governo do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) geraram uma "confusão federativa", que levou a prejuízos aos Estados.

Ele disse que o governo busca evitar insegurança jurídica nesse tema.

Críticas a economistas

O ministro da Fazenda também criticou as previsões negativas de economistas sobre os impactos das incertezas fiscais na inflação e no câmbio. "Faz só 30 dias que os economistas previram o caos .. As projeções sumiram do horizonte", disse.

Haddad sustentou que, pela primeira vez desde o Plano Real, a expectativa de inflação no Brasil é menor do que no mundo desenvolvido.

Também lembrou que o governo iniciou o mandato com o dólar a R$ 5,29, e a moeda já caiu para R$ 5,10 na sexta-feira. "E tem gente dizendo que a tendência é de valorização do real."

Ele declarou ainda que a situação dos investimentos no Brasil vai melhorar do ponto de vista das concessões e parcerias público-privadas, as PPPs.

"Escrevi a lei das PPPs, que Congresso acabou burocratizando", lembrou Haddad, acrescentando que o secretário executivo da Fazenda, Gabriel Galípolo, foi escalado para retirar a burocracia de processos de concessão e PPPs.

Fonte: Estadão Conteúdo